EnglishPortugueseSpanish

Edição 001

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Melhoramento clássico mantém-se na liderança da oferta de variedades de cana tolerantes à seca

Variedade do IAC, resistente ao estresse hídrico, lançada em 2017, já obtém em Goianésia uma produção 25% acima da média das demais variedades; Ridesa aposta em atuação conjunta das áreas de melhoramento clássico e biotecnologia na busca por novas variedades.

 

Uma variedade de cana melhorada, a IACCTC07-8008, lançada em 2017 pelo Instituto Agronômico (IAC), em Campinas, precisou de uma forte estiagem registrada este ano para comprovar seu verdadeiro potencial em campo. Plantada em sequeiro em área de produção, numa das maiores usinas da região de Goianésia, em Goiás, cravou em média 155 toneladas de cana por hectare contra 122 toneladas de outras variedades plantadas em mesmo solo sob idênticas condições climáticas e de soca, ou seja, uma produtividade média de quase 25% acima de variedades já consagradas.

“Tínhamos boa expectativa com relação à essa variedade, mas o resultado realmente surpreendeu. Já pedi para os pesquisadores das áreas de biotecnologia e de fisiologia do IAC olharem essa planta com atenção para entendermos a razão desse potencial de tolerância”, diz Marcos Landell, engenheiro agrônomo, pesquisador e diretor geral do IAC.

Landell diz que a IACCTC07-8008 é o resultado de um trabalho de evolução varietal conhecido com melhoramento clássico. Ele prevê que diferentes espécies sejam cruzadas com a expectativas de uma terceira variedade agregar o que há de melhor nas duas anteriores. Trata-se de um trabalho de persistência, guiado pelo conhecimento dos pesquisadores na escolha dos materiais cruzados com maior potencial de sucesso. Essa linha de pesquisa tem se mostrado decisiva para a obtenção de centenas de variedades que hoje contribuem para a elevação dos níveis de produtividade.

Ele conta que começou o trabalho de campo em Goianésia ainda nos anos 1990, uma região seca, com solo fraco e chuva mal distribuída ao longo do ano. “Naquela época, a produtividade média do primeiro corte não passava de 90 toneladas. Hoje, mesmo em condições de forte estresse hídrico, não tiramos menos de 120 toneladas na cana planta, ou seja, no primeiro ciclo da cultura. Esse é o resultado de uma série de fatores, mas as novas variedades contribuíram muito para isso”, avalia.

Apesar de se considerar um pesquisador de melhoramento clássico das variedades de cana, Landell também acompanha com muito interesse os avanços obtidos na área de biotecnologia. Ele se diz ávido por informações fornecidas dessa vertente de pesquisas. “A identificação de genes de tolerância à seca por meio de ferramentas moleculares como, por exemplo, o RNAseq (análise de expressão gênica) e marcadores moleculares podem contribuir para avançarmos muito rapidamente”, diz Landell. Para o pesquisador, a incorporação das ferramentas moleculares nos programas de melhoramento genético, o chamado melhoramento molecular, quer seja pela tecnologia de marcadores moleculares ou transgenia, tem como alicerce o melhoramento clássico. Daí a importância de fortalecer esses programas.

“O apoio da Fapesp foi decisivo, por exemplo, para a montagem do laboratório de biogenética. Sem isso seguramente não conseguiríamos avançar na velocidade atual”, reconhece.

Outros avanços

Além do melhoramento clássico, Landell explica que alguns avanços na área de tolerância ao estresse hídrico aconteceram graças a mudanças no manejo das plantações. Ele diz que um desses avanços desenvolvidos pelo IAC é a chamada Matriz do Terceiro Eixo. Essa metodologia considera que, a cada ciclo (corte) da cultura da cana, ocorre o melhor desenvolvimento do sistema radicular, possibilitando que ele alcance profundidades maiores. Segundo o pesquisador, essa informação é fundamental para que se defina um planejamento de colheita, de forma a promover a mitigação do déficit hídrico ao longo da vida útil de um canavial e evitar que a cana mais jovem fique demasiadamente exposta a longos períodos de seca.

Landell explica que pesquisas desenvolvidas pelo IAC indicaram que, ao contrário do que se acreditava, a raiz da cana segue se desenvolvendo e aprofundando ano após ano, desde que planta não sofra impedimentos físicos/químicos do solo ou a ação de algum fator como pragas e nematóides, que impeça o crescimento do sistema radicular em profundidade.  O método da Matriz do Terceiro Eixo define que a colheita da cana de primeiro e segundo ciclos (cortes) devem ocorrer no máximo até o final de junho, evitando que a planta seja exposta a situações de estresse hídrico intenso quando a raiz ainda está muito superficial. Com isso, a cana mantém um desenvolvimento radicular robusto e, a partir do terceiro ciclo, ela já consegue absorver umidade de regiões mais profundas do solo e segue se aprofundando ano a ano, o que garante melhores níveis de produtividade em todas as colheitas seguintes.

“Essa metodologia foi implantada na região de Campo Florido, em Minas Gerais, por produtores que conseguiram expandir a produtividade de 62 toneladas de cana por hectare para 116 toneladas, considerando-se a média de nove ciclos (cortes). “Isso é resultado de uma raiz bem formada e aprofundada”, garante Landell.  Segundo o diretor geral do IAC, grandes empresas do setor já estão utilizando essa metodologia com bons resultados. “Conforme os produtores passarem a usar melhores variedades, aliadas às novas técnicas, chegaremos em breve à média de produtividade nacional de cana por hectare acima dos três dígitos”, aposta.

Muito a crescer

Hermann Hoffmann, engenheiro agrônomo, pesquisador e diretor geral da Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroenergético – RIDESA, não é tão otimista quando Landell. “Sem dúvida há muito espaço para avançarmos em produtividade, mas acredito que ainda não estamos evoluindo na velocidade adequada”, avalia

Segundo Hoffmann, há muitos produtores que, por questões financeiras, por pouca capacidade de investimento ou mesmo por falta de interesse seguem utilizando variedades antigas e pouco produtivas, em especial em períodos de estresse hídrico. “Isso acaba puxando para baixo a média da produtividade nacional”, complementa o diretor da RIDESA, que é responsável por cerca de 65% das variedades de cana hoje plantadas no Brasil.

A RIDESA é uma rede que congrega 10 universidades federais em todo o país e que se mantém por meio de parcerias com a iniciativa privadas. Para Hoffmann, cabe as universidades públicas destinar suas verbas para o ensino, pesquisa e extensão. Se existem áreas específicas para atender demandas do setor privado, é justo que essas áreas recebam investimentos externos. “Hoje temos contratos de cooperação técnica com mais de 200 empresas privadas no Brasil e no exterior e isso financia os trabalhos de pesquisa da RIDESA”, explica Hoffmann.

Para o pesquisador, ainda que não se possa falar em uma variedade de cana especificamente tolerante à seca, centenas de variedades foram desenvolvidas ao longo dos anos por melhoramento clássico e isso viabilizou a ocupação de muitas áreas no país pela lavoura da cana. Hoffmann diz que as terras que eram boas para cana foram ocupadas antes dos anos 70. A partir do Proálcool, a demanda por novas áreas começou aumentar e o país saiu dos 3 milhões de hectares plantados para os atuais 10 milhões. Essa expansão se deu em regiões que impõem uma série de dificuldades ao plantio, inclusive estresse hídrico. Para o pesquisador, as variedades utilizadas nos anos 1970 atualmente seriam inviáveis nessas novas áreas, como o Centro-Oeste ou o oeste do estado de São Paulo. “A ocupação dessas regiões só foi possível porque conseguimos desenvolver variedades mais robustas, que produzem bem em áreas difíceis. Avançamos em vários aspectos que contribuíram para a produtividade, inclusive a tolerância à seca”, pontua.

Quanto à relação entre melhoramento clássico e biotecnologia, Hoffmann tem visão semelhante à de Landell. Para o diretor da RIDESA, o melhoramento clássico tem de ser mantido porque é ele o grande fornecedor de variedades que serão aperfeiçoadas pela biotecnologia. “A biotecnologia fica responsável por fazer os ajustes que possibilitam a planta expressar melhor boas características que já possui. São metodologias que se complementam de forma bem interessante”, avalia.

Hoffman diz que a RIDESA tem investido em biotecnologia e no desenvolvimento de espécies transgênicas, que seguramente vão ganhar mercado nos próximos anos. Para ele, é importante que os institutos de pesquisa brasileiros avancem nessa tecnologia para o país não ficar na mão de grandes multinacionais do setor. “Não podemos ficar para trás como já ocorreu com a soja e o milho. Dispomos de bons pesquisadores e tecnologia. Estamos na liderança mundial da pesquisa em cana e é importante para o país manter-se nessa posição”.

Sobre o BIOEN: O BIOEN, Programa de Pesquisa em Bioenergia da FAPESP, visa articular pesquisa, desenvolvimento e inovação (P,D&I) entre entidades públicas e privadas, utilizando laboratórios acadêmicos e industriais para avançar e aplicar o conhecimento nas áreas relacionadas à bioenergia no Brasil. As pesquisas abrangem desde a produção e o processamento de biomassa até tecnologias de biocombustíveis, biorrefinarias, sustentabilidade e impactos. Para mais informações, acesse http://bioenfapesp.org

Receive Our Newsletter

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.